28 de março de 2009

sãopaulosamurai 7

achei que seria legal postar o esboço que fiz antes do desenho, uma espécie de croquis pré-operatório, porque é o croquis definitivo, a grande referência. foi feito num A5 para manter a proporção da folha, coisa que varia demais enquanto estamos pensando no que fazer e que nunca cabe da forma que gostaríamos.
mas ai o legal é notar como segue mais ou menos a idéia e como acaba por mudar bastante coisa. quando você põe no lugar certo, os desenhos mudam de tamanho, forma, posição, ai fica difícil respeitar o que seria moldura e o que não precisa mais, o que vai ser colorido o que não vai. e tem outra, quando erramos na perspectiva (que nem no primeiro quadro), muitas vezes não tem mais volta.
de qualquer forma, o resultado final ficou bacana, gostei de variar a posição da folha.

26 de março de 2009

cheiro de cu de macaco

para o gênio que teve a brilhante idéia de adubar a fau com uma mistura de bosta, merda, titica, esterco, cagada, carcaça, carniça, fertilizante de tudo quanto é bicho misturado e ainda resolveu fazer isso na porra do período letivo. não dá para ficar lá dentro.

21 de março de 2009

o tempo e os paquidermes

estas estorinhas estão muito constantes, o que me tem feito sentir meio mal, parece que muito do meu tempo é jogado fora. eu acabo desenhando, mas ter que ir para a aula e desenhar é deprimente.

20 de março de 2009

sãopaulosamurai 4.5

refiz a tirinha 4 do sãopaulosamurai porque fiquei meio decepcionado com a versão anterior. achei esta bem mais bonita e condizente com a movimentação que eu tinha deixado pendente na tira 3. espero que me perdoem.

18 de março de 2009

sãopaulosamurai 4

*a frase eu li alguns anos atrás na ponte cidade universitária, não estava assinada mas ficou na minha cabeça desde então.

13 de março de 2009

o tempo e o vento

esta é uma segunda tirinha disto que está se tornando uma série produzida quando sinto que meu tempo é tratado como lixo.

12 de março de 2009

prova de capacitação

se tem uma coisa que eu não vou conseguir fazer quando eu ficar velho é cortar as unhas dos dedos do pé. principalmente do direito, porque o joelho fica bem na frente, uma verdadeira lástima. devíamos aprender estas coisas na escola.

10 de março de 2009

o trabalho do tempo

as vezes eu fico pensando como seria viver do próprio trabalho; a relação direta do fruto que comemos com a mesma mão que o plantou, usar as próprias mãos para sobreviver em cima do suor, da terra, não para prestar serviços indiretos e nem sequer saber de onde vem a lasanha congelada da sadia triplamente embalada que comemos no jantar. preocupar-se com a chuva, a raposa, os ratos no galinheiro, o trator, o milho, plantar, colher, capinar. a gente devia sentir a dor da enxada na mão, envelhecer embaixo do sol, corpo rijo, não o ombrinho travado e o torcicolo de tentar dormir sem estar cansado de verdade, quase cegos de ficar na frente do computador fazendo desenhinhos. a gente é um bando de frescos.

7 de março de 2009

sabedoria conjugal

o wally diz que aconteceu com um amigo dele. aposto que é uma lorota. ainda assim, ri demais.

4 de março de 2009

batatas

eu tinha umas três outras idéias para desenhar antes mas esta me pulou na frente vindo para casa. um trocadilho infeliz que alterno entre rir demais e achar a coisa mais estúpida com a qual alguém podia perder tempo. pois bem, ficou ai.

1 de março de 2009

Aedhes Aegipty


é tudo uma questão de publicidade. repito, é TUDO uma questão de publicidade.

pólvora

estávamos quatro amigos num bar e um deles tira do bolso uma porra de uma latinha de rapé. para mim rapé era um treco que nem existia mais, dos tempos do sítio do picapau amarelo, de confundir a cozinheira nastácia dizendo que o pó de pirilimpimpim era rapé. pois bem, é uma merda, horrível, nem espirrar eu espirrei, fiquei numa mistura de nariz entupido e super desentupido, aroma de eucalipto. blargh. o yuri, por sua vez, deu uns 18 espirros sem parar, quando o efeito passou, porém, foi lá ele tentar de novo. vá entender.