31 de janeiro de 2010

estudos de fazenda (II)

quarto estudo para a ilustração da minha tia Nilde, cujo tema é 'fazenda de café'. esta eu fiz usando lápis branco neste papel canson marrom escuro.

fotos dos contatos

na última semana me arrisquei no laboratório de fotografia para revelar umas fotos, ampliá-las e tal. mas não me dei muito bem com o negócio; quer dizer, saber eu até soube começar, mas o trabalho é brutal e não sei se estou disposto a taaaaanto tempo assim por lá. não sei, talvez também esteja, vá saber, já não garanto mais nada, a satisfação não foi tão grande assim. de qualquer forma, deixei de revelar algumas fotos, revelei outras mais ou menos, então, para não perder nada, resolvi cometer a atrocidade de ampliar os contatos (mal feitos, por sinal) que fiz no laboratório no scanner mesmo. ou seja, a quantidade de ruído é brutal e a qualidade mais ou menos. mas enquanto eu não me resolvo por aqui, vai isso mesmo.


represa de Taiaçupeba (pronto pá, corrigi), no começo do ano.


maíra lá na praça do pôr-do-sol. esta foto achei bastante boa até, devia ampliar direito depois.


a gente esperou um monte antes de conseguir usar o maldito laboratório de fotografia, de novo, e ainda ouvimos ironias... foda.


eu lá na porta, foto da maíra


nada como um cafezinho para alegrar as coisas

o 'the dog at the wall' como gosto de chamá-la


mais uma dos charcos da usp, esta horizontal que eu caguei na hora de enrolar o filme na bobina, e acabou queimando na revelação


e por último esta foto que tirei à noite na fau, e que gostei bastante, apesar da misteriosa mancha branca que a máquina fez em diversas fotos ter aparecido.

28 de janeiro de 2010

27 de janeiro de 2010

meu fim de mundo 14


esboços bastante aleatórios desta tirinha, eu tinha pensado numa sequência terminando em privada, com ele passando para o outro mundo, mas o ralo possui uma seriedade melhor para a tirinha, o resultado é mais interessante. pena que não desenhei o ralo maior no penúltimo quadro, achei ele meio fora de lugar e desproporcional. ainda assim, uma das minhas preferidas, sem dúvida.

25 de janeiro de 2010

meu fim de mundo*

se existe um lugar que eu possa dizer que cria em mim o mesmo sentimento de fim de mundo que vai nas tirinhas de mesmo nome, este lugar é o sítio santa maria, que é dos meus avós e fica em frente à represa de mairiporã. fico criança lá.






23 de janeiro de 2010

usp


esta primeira foto, também de um dos últimos filmes que tirei com a Leica, é de um charco que se formou nestes dias de chuva ali perto da portaria 1 da usp, naquela esquina da rua que desce da história com a rotatória do cepe.


e esta é o depósito ou ferro velho de carrinhos de mão que está lá perto das obras da biblioteca brasiliana.

22 de janeiro de 2010

sessão maíra


esta semana eu passei quinta e sexta no laboratório de fotografia da Fau, onde revelei alguns filmes e fiquei brincando de ampliar algumas fotos. é bastante difícil, muito cheio de manhas e tal, mas ao mesmo tempo prazeroso demais nos acertos. eu diria que o processo de ampliação das fotos é tão complexo quanto bater a fotografia em si (pelo menos para quem tem algum cuidado nisso), tem muita (e aqui talvez fosse melhor frisar: MUITA) coisa que pode dar errado, é muito tempo que se gasta e muita frescura no processo, mas o resultado compensa. só não posso deixar de pensar como a foto digital pôde por uma coisa tão bonita assim em desuso, o laboratório da Fau está absolutamente decadente, cheio de picuinhas entre os funcionários e mais uns tantos boatos de que seria fechado, ou seja, já podem imaginar o que é usar aquilo. coloquei aqui só as fotos da maíra, que no geral são as melhores, depois vou colocando as outras. bom, esta primeira foto é uma ampliação, um detalhe de uma outra da maíra na frente de um varal na casa do meu pai. esta possibilidade de se poder ampliar e recortar as fotos manualmente é muito interessante.


esta é uma das minhas fotos preferidas destes filmes, chamo de 'maíra e a bunda', foi lá em paúba.

maíra no templo zu'lai, lá em cotia, que visitamos ano passado.


a foto do varal da casa do meu pai inteira.


a maíra já dando risada de mim que tanto peço para ela sorrir para eu poder fotografá-la, no meu quarto, na frente do meu quadrinho do neruda.


cansada na fau. mais precisamente no AI.


sentada no banquinho de frente para o tiranossauro da geologia, fomos lá depois da dica do yuri.


junto dos bichinhos (dengoso e pipoca) lá no santa maria, final do ano passado.


sentada na pedra em paúba.

17 de janeiro de 2010

os ratos de nossa terra






você gosta de bichos? eu gosto. é, eu diria que sou um cara que gosta de animais, que vibra e tem pena deles, bastante suscetível a apelos ecológicos e etc, tenho inclusive um gato em casa e paro na rua para fazer carinho em cachorros aleatórios, chego a chamar um passarinho que vejo sempre em paúba de 'meu'. bem, eu gostaria de saber então por que esta mesma pessoa consegue sair de casa às 13h21 num pleno domingo, com a máquina fotográfica em mãos, chamar o irmão que acabara de acordar com o convite: 'ei, eu vi um rato morto lá embaixo, quer descer comigo para fotografá-lo?'. meu requinte de sadismo às vezes me incomoda. sabe, uma pessoa pode ser rechaçada ou estigmatizada por dizer que não gosta de animais, por maltratá-los, explorá-los, etc, mas em alguns casos esta atitude se permite deixar de lado e o infeliz sai de casa cinicamente para fotografar a maldita desgraça do bicho. e ninguém lhe diz nada; seu irmão, ao invés disso, o acompanha. o que eu senti não foi exatamente pena, ou foi? hoje em dia eu não sei pensar se bonzinhos são só os animais em extinção, se este desgraçado deste rato, só por existir em abundância, viver do que jogamos fora em lugares que preferimos não imaginar, e que só aparece quando justamente estes lugares transbordam da água que não conseguimos controlar, e pelo ritmo que as coisas andam, nunca conseguiremos. hoje eu vi de relance no jornal aquele inglês falando uma das coisas mais sensatas que tenho ouvido nos últimos tempos, embora não seja nenhuma novidade (de novo): que a terra que vai acabar é a nossa, não ela mesma. para a terra nossa existência vai passar batida tal qual outras tantas que já passaram por ai, a humanidade vai matar a si mesma e só, acabar com a SUA Terra, a das baratas e ratos continuará por ai depois. talvez seja por isso que consigamos olhar com certa distância um animal com a alma de deus como o rato, morto, sem que nos toque tanto; eles estarão aqui quando nós acabarmos com nós mesmos, e, no fundo, sabem que são superiores, repare no olho sorridente de sabedoria deste ai que fotografei.

pindura 2010 (IV)


ontem a noite dei meu primeiro autógrafo, e não foi para nenhum conhecido ou familiar (pasmem!), lá na HQmix, onde aconteceu o pequeno lançamento do pindura 2010. não tenho fotos para comprovar, mas foi uma situação que me deixou mais sem jeito do que seria conveniente. de qualquer forma, é demais ter algo publicado. os pinduras podem ser comprados na HQmix, lá na praça roosevelt (se ainda tiver, porque mandaram poucos) ou pelo blog: www.pindura2010.blogspot.com, sendo que eles mandam de brasília.

15 de janeiro de 2010

gravura meu fim de mundo

eu na verdade estava pintando camisetas, ai fiz a máscara deste quadro do meu fim de mundo 1 em acetato e depois passei a tinta na camiseta com uma esponja, de forma que o excesso - considerável - ficou registrado no papel que eu coloquei por trás. o tecido serviu como uma segunda máscara que deixou o desenho mais bonito que na camiseta.

14 de janeiro de 2010

lançamento pindura 2010

este sábado, à partir das 19h30, haverá o lançamento do 'Aparato para contagem dos dias do ano', vulgo calendário, Pindura 2010. será lá na HQmix, na praça roosevelt, e eu contribuí com uma ilustração que já devem ter visto por aqui. pelo que me disseram, serão poucos calendários a venda, tipo 20, mas quem quiser, eu posso pedir para o pessoal no site deles: http://pindura2010.blogspot.com/. apareçam por lá. abraços

13 de janeiro de 2010

cerzidura 08


esboço para esta página da história, prenúncio de complicações... como se o cara estivesse se dando bem, dã.
mas uma situação crítica, de uma tensão inimaginável se arma agora, aguardem os próximos fascículos.

11 de janeiro de 2010

Morgoth

hoje eu me lembrei do 'senhor dos anéis' e do 'silmarillion', de J. R. R Tolkien, meus livros prediletos alguns anos atrás, entre a sétima série e o colegial, mais ou menos. estas nuvens e tempestades que têm se formado em são paulo neste verão possuem um pouco desta aura mágica e inexplicável que me causava arrepios de fascínio. como todo bom nerd, passava horas imaginando aventuras e criando histórias e personagens na ilusão de assimilar um pouco destes mundos que eu fazia me serem tão bonitos. acho que se tem um lado meu de criança que se manteve acordado embora num estado mais latente do que antes, é este que se manifesta nos meus queridos 'fins de mundo'.

10 de janeiro de 2010

domingo no sítio

hoje passamos o dia no sítio santa maria, lá em mairiporã. e para completar o dia, cujas fotos (algumas) estão na sequência, nada como fazer a foto mais tradicional na escadinha, só que com a licença poética para algumas alterações: nesta primeira a dança egípicia da laurinha, e na segunda, a boa e velha macarena. as fotos foram tiradas em 4 séries com o timer que tira 10 fotos em seguida, então temos 4 filminhos de 10 poses. eu coloquei aqui duas das mais divertidas.

macarena-stile.

esta lagartixa que encontramos na antiga churrasqueira estava dependurada na teia da aranha, que já a tinha debilitado e quem sabe botado uns ovos dentro da coitada.


cortamos o fio (forte para burro) e a coitada ficou lá no chão, não sei se vai sobreviver, mas deu pena vê-la lá.


teias de aranha com dentes-de-leão eliminando o efeito surpresa. o inseto só cai se for uma verdadeira mula.

aranha-espinho na folha-espinho.

uma encantadora lagarta listrada.

e chegando em casa, ainda vi uma tempestade anunciada lá na zona leste, mas que não veio para cá. pena, eu tenho curtido fotografar raios.

clarão na zona leste. só que meu karma é a praga do tomie ohtake, que aparece em TODAS as minhas fotos deste lado da casa.

6 de janeiro de 2010

cerzidura 06

estou oficialmente de volta à ativa! cara, como senti falta de fazer quadrinhos este final de ano, é impressionante como desacostumamos rápido. mais uns dias desenhando e demoro metade do tempo para fazer um desenho duas vezes melhor, impressionante.

retratos de guaecá

resolvi colocar aqui as fotos, no caso retratos, que achei mais bacanas da tarde que passamos em guaecá um pouco antes da virada, se não me engano, dia 30.


cuz e sua determinação yankee tentando levantar a pipa do vovô.





maíra e suas gafas de sol. na última foto, tudo branco e preto tirando um verdinho lá no canto.



lobato. se vissem as outras fotos dele, provavelmente não acreditariam que ele pudesse fazer outra coisa que não sorrir. (tem uma foto dele com o dedo no olho também, mas acabei não colocando aqui).


fábio e sua preocupação com a crise nos negócios. vai saber que estágiário está roubando o cargo dele enquanto ele tira dois dias de férias.



lu. lá na foto de cima, tinha acabado de pingar o colírio.


lu e yuri vendo, provavelmente, as fotos do mori ou da maíra.



yuri e o que insiste em dizer: 'porra cara, você insiste em me pegar bem com as caras mais idiotas!'



mori e sua pose de cabelos ao vento. tinha uma foto dele cheirando o suvaco mas que preferi omitir já que o clima aqui está 'bonitinho'.