31 de julho de 2012

escalation - islândia (XIII)

Quando tivemos a idéia de parar o jipe num lugar qualquer (no caso, um pouco para cima da estrada que quase não aparece na foto de baixo) e inventar uma trilha para chegar em algum lugar aleatório, como esta cachoeira, no caso, a viagem começou a se acertar no rumo.


Þórsmörk - islândia (XII)

 Um vale com uma floresta de musgos.



30 de julho de 2012

Þórsmörk - islândia (XI)

Þórsmörk foi um dos lugares mais bonitos e surpreendentes que fomos, logo no segundo dia de viagem. Estava uma garoa chatinha, um nublacê danado e atravessamos os nossos primeiros (de uma quantidade de perder a conta depois) rios de jipe.


buquet - islândia (X)


27 de julho de 2012

parada aleatória - islândia (IX)

O bacana de viajar de carro (alugamos um jipe) é poder parar quando e onde bem entender, por qualquer motivo. Bem, tínhamos acabado de sair do geysir e íamos para a gulfoss, mas no caminho vimos um céu assim, esta casa com o hangar para as ovelhas, depois descemos uma barranquinha cheia destas 'couves-flor' até chegar ao riozinho. Depois seguimos viagem.



26 de julho de 2012

geysir - islândia (VIII)

Estas são as fotos coloridas do Geysir e das piscinas aquecidas do complexo. Usei um Kodak Elite Chrome 100 e fiquei bem satisfeito com o resultado final do filme como um todo.



 Esta última foto, abaixo, é talvez a minha preferida desta série.

25 de julho de 2012

e... atirou!

Mais um frame daquela HQ sem nome nem endereço que estou fazendo nas horas vagas.

para cima ou para baixo? - islândia (VII)

Gosto muito do estranhamento que esta foto causa, esta cachoeira / geysir, este frame que parece estar cortado no meio por esta água preta, enfim. Para terem uma idéia, cheguei a salvar a imagem de cabeça para baixo achando que os jatos eram manchas no negativo, não parte da foto, embora olhando assim, já na posição certa, pareça óbvio ser a correta.

24 de julho de 2012

o rio de Þingvellir - islândia (VI)

Estas são algumas das fotos coloridas que tirei lá em Þingvellir, lugar onde as placas tectônicas da Europa e da América do Norte se separam. E este é o rio que mencionei correr por dentro da fenda, mais alto que o restante do campo ao lado dele, até chegar às planícies do lago.
As duas primeiras fotos foram tiradas com tripé, usando um filtro escuro que comprei por lá (e que nem sabia existir, meu primo que deu a dica) que acrescenta 6 pontos ao tempo de exposição, de forma que podíamos expor bem mais o negativo e dar este efeito da água correndo. Aliás, usei um Kodak Elite Chrome 100 na Olympus OM-1.



Aqui dá para ver bem a diferença de cota do rio descendo pela fenda e a planície lá embaixo, à esquerda.

23 de julho de 2012

no alto da árvore tinha um atirador - teaser

Fazia muito tempo que eu não postava nenhum desenhinho, pois bem, é que estou fazendo no meu pouco tempo livre uma pequena e despretensiosa história em quadrinhos, testando umas coisinhas novas, treinando a narrativa e assim por diante. Por mais que esteja morrendo de vontade de colorir para poder mostrar logo o que estou imaginando para as cenas, estou me segurando para tentar andar mais rápido com a história antes de me perder em problemas de cor, aquarela e etc, que demoram pra burro sendo que as linhas já dão trabalho suficiente, hehe!

20 de julho de 2012

19 de julho de 2012

pulando o riozinho - islândia (IV)

- Peraí, Paulão, deixa eu prepara a câmera aqui para fotografar seu pulo!
- Beleza, pronto?
- Pronto, pode ir, capricha!
(barulho de peido)
 Pena que a luz não estava suficiente para a Lomo, não dá para controlar muito a exposição então ficou um pouco escura a foto. Mas isso que parece um cara lutando contra o rio é o Paulo afundando até a cintura num riozinho sem-vergonha depois de escorregar para saltar, intimidado pelas lentes de plástico da minha incrível Lomo Fisheye 2 que estreei na viagem. Lógico que a foto seguinte foi decorrência do ataque de riso que tive com a cena, hehehe!

18 de julho de 2012

gulfoss - islândia (III)

Gulfoss é uma das maiores cachoeiras da Islândia em vasão. Mas o que impressiona mesmo é o fato de toda esta água cair num canyon, quase um fosso, de forma que a primeira impressão que se tem é de que a terra está dragando toda a água para suas entranhas.


17 de julho de 2012

geysir - islândia (II)

Muito próximo de Φingvellir, está o Geysir, jato de água borbulhante primordial, que deu nome aos demais. Na foto, porém, é outro geysir que vimos jorrar, porque o original só jorra mais ou menos uma vez por dia, enquanto este tem um jato a cada 5 minutos, mais ou menos.

16 de julho de 2012

Þingvellir - islândia (I)


Þingvellir foi um dos primeiros lugares que visitamos, e um dos mais mágicos, absolutamente incrível. É ao mesmo tempo a zona em que as placas tectônicas da Europa e da América do Norte se separam como também onde acontecia o primeiro parlamento democrático da história da humanidade. O rio que se segue a esta cachoreira corre algumas centenas de metros mais alto que os arredores, dentro da canaleta natural resultado deste afastamento das placas, como num aqueduto, antes de espraiar em charcos, mas as fotos melhores (e não expermentais) foram tiradas com a outra câmera e ainda não escaneei. Estas duas foram tiradas com um daqueles filmes infravermelhos hardcore (que ainda não acertei muito bem como usar) o Efke IR 820 Aura. Depois vou colocando as outras com calma.

15 de julho de 2012

o dia do chucrute

-ó gente, provem este guisado de chucrute que eu fiz, ó
- hmmm tá, parece bom, quem quer?
-mmmm.... é.... 'bom', cata.
-... (cri cri)
-... (oh god)
-... (meu, que medo)
-tá foda gente, eu confesso!
- hahahhaha!
- ai cata!
- dahora, a vida!